Baixa de hipoteca: o que é e como funciona

A baixa de hipoteca é uma medida fundamental para garantir seus direitos de proprietário do imóvel. Veja como solicitá-la!
Baixa de hipoteca: o que é e como funciona

A baixa de hipoteca é uma medida fundamental para garantir seus direitos de proprietário do imóvel. Ela deve ocorrer depois que a compra de um imóvel na planta é quitado junto à construtora. Porém, isso nem sempre acontece. E se não ocorrer a baixa, o comprador não conseguirá registrar a escritura. O que tudo isso significa?

Veja a seguir de forma detalhada o que é e como funciona a baixa de hipoteca. 

1. O que é baixa de hipoteca e como funciona?

A hipoteca é uma garantia imobiliária na qual o imóvel garante o pagamento de uma dívida. Quando falamos na construção de um empreendimento, a construtora geralmente não possui dinheiro para realizar todo o projeto. Por isso, buscam o auxílio de bancos para financiarem suas obras. Em contrapartida, a empresa constitui uma hipoteca sobre toda a edificação, dando as unidades a serem construídas em garantia ao banco concedente do financiamento.

Isso significa que um terceiro de boa-fé que comprar um apartamento pode ser atingido, caso a construtora não pague sua dívida. Para regularizar a situação, é preciso fazer a solicitação de baixa de hipoteca. E caso ela não aconteça, o comprador não consegue transferir a propriedade para seu nome.

Mas, por que isso acontece? Porque a hipoteca consta como gravame sobre o registro do imóvel e impede a transferência do bem. Por isso, a baixa de hipoteca é tão importante, e é uma obrigação da construtora, independentemente de qualquer disposição presente em contrato de compra e venda de imóvel. 

Dessa forma, o comprador evita que, no futuro, seu imóvel seja penhorado por conta da hipoteca, caso a construtora não arque com o empréstimo contraído com o banco para construir o empreendimento.

2. Quem deve pagar pela baixa de hipoteca?

Imagine que você terminou de quitar seu imóvel comprado na planta e tentou dar entrada na escritura definitiva para registrá-lo como seu. De repente, viu que não há um termo de quitação baixa de hipoteca. E agora?

A obrigação de fazer a solicitação de baixa de hipoteca é da construtora, que deverá também fazer o pagamento da taxa cartorária. Afinal, foi ela quem assumiu a obrigação perante o banco.

Mesmo assim, muitos consumidores enfrentam dificuldades e demora para obter o termo de quitação baixa de hipoteca também conhecido como TLH- Termo de Liberação de Hipoteca. Algumas construtoras, inclusive, perdem seu poderio financeiro e “enrolam” ao máximo para resolver a questão, pois em virtude do não pagamento do empréstimo contraído perante ao banco, as instituições financeiras negam-se a liberar as garantias.

Desse modo, em caso de problemas com a construtora, é importante obter auxílio de um advogado para conseguir a baixa de hipoteca e efetuar o registro do seu imóvel.

3.  Quais são os documentos necessários para realizar a baixa?

A baixa de hipoteca deve ser realizada no cartório de registro de imóveis com os seguintes documentos:

  1. Requerimento para Liberação de Hipoteca (original e cópia com firma reconhecida);
  2. Termo de quitação do imóvel;
  3. Escritura pública de compra e venda;
  4. RG, CPF, Certidão de Casamento do solicitante;
  5. Comprovante de endereço do solicitante.

Não se esqueça de que a construtora é a responsável pelo termo de quitação para baixa de hipoteca.

O que fazer se ela não fornecer o termo? Você pode notificar a construtora e o banco (credor hipotecário) para informar a quitação do imóvel e solicitar o termo de quitação da hipoteca. Orientamos que esta notificação seja feita por e-mail e que seja anotado o protocolo da solicitação.

Se mesmo após a notificação você não conseguir o termo, a via judicial será a única saída para que o gravame possa ser baixado.

4. Quais os prazos e os direitos do comprador?

É um direito do comprador solicitar o termo de quitação para baixa de hipoteca sem qualquer obstrução da construtora.

A Súmula 308 do Supremo Tribunal de Justiça estabelece que o comprador não tem qualquer responsabilidade quanto à questão. “A hipoteca firmada entre a construtora e o agente financeiro, anterior ou posterior à celebração da promessa de compra e venda, não tem eficácia perante os adquirentes do imóvel.

É importante destacar ainda que é obrigação do vendedor (ou construtora do imóvel na planta) fazer a baixa de hipoteca e pagar a taxa correspondente. O prazo para realizar o trâmite é de 30 dias após a quitação.

De acordo com o artigo 25, § 1º da Lei 9.514/1997, “no prazo de trinta dias, a contar da data de liquidação da dívida, o fiduciário fornecerá o respectivo termo de quitação ao fiduciante, sob pena de multa em favor deste, equivalente a meio por cento ao mês, ou fração, sobre o valor do contrato.”

Ou seja, após o prazo determinado, a construtora deverá pagar ao proprietário do imóvel uma multa de 0,5% ao mês sobre o valor do contrato. 

Após este prazo, é também direito do comprador ajuizar uma ação para conseguir a determinação do juiz para baixar a hipoteca. Em situações como esta, é comum que a ação inclua uma compensação pelos danos morais sofridos.

Posicionamento dos tribunais

Os tribunais brasileiros vêm entendendo, em determinadas situações, que a indenização por dano moral é devida. Isso porque ela pode não se configurar como mero aborrecimento e atentar contra a dignidade do comprador. 

Foi o que entendeu o desembargador na Apelação Cível nº 0017231-73.2012.8.19.0209, do TJ-RJ, em uma situação em que a apelante só providenciou a baixa de hipoteca 1 ano após a quitação completa pelo comprador.

Na visão do desembargador, “os apelados tiveram de se socorrer ao Judiciário para que as apelantes providenciassem a baixa no gravame que recaía sobre o imóvel, limitando seu direito de propriedade. Assim, a demora dos réus em cumprir a obrigação pactuada no contrato constitui fato capaz de gerar sofrimento que vai além de mero aborrecimento quotidiano, caracterizando o dano moral”.

O mesmo ocorreu na Apelação Cível nº 0202531-82.2014.8.19.0001 e na Apelação Cível nº 0025686-95.2010.8.19.0209 do mesmo tribunal.

Com a baixa de hipoteca, o comprador do imóvel pode exercer seu direito de proprietário livremente. Para tanto, precisa levar o termo de quitação e outros documentos ao cartório para realizá-la. Em caso de problemas para conseguir o termo com a construtora, é fundamental buscar auxílio jurídico.

Precisa de ajuda? Entre em contato conosco!

Leonardo Reis Pinto
CEO da Reis Pinto Advogados

Telefone: 21 2710-6399
Celular: 21 99814-8676
E-mail: leonardo@reispinto.com.br

Leia mais

Golpes com empréstimos
Direito do Consumidor

Como evitar golpes dos falsos empréstimos

Os golpes dos falsos empréstimos têm sido bastante frequentes nos últimos tempos. Muitos consumidores recorrem aos empréstimos para tentar solucionar os problemas financeiros, porém, acabam

Fale conosco

Estamos aqui para te ajudar.

Preencha o formulário e nosso time irá entrar em contato com você rapidamente.

Não se preocupe. Não utilizaremos seus dados para nenhuma finalidade a não ser para te ajudar a resolver seu problema.

Agradecemos por entrar em contato conosco! Nossa equipe irá te auxiliar imediatamente.